Fazer a diferença por um planeta mais sustentável

A ação do Homem tem um grande impacto no planeta e vivemos constantemente com receio dos efeitos de estufa que outrora foram aliados e que, atualmente, tornaram-se um risco. Produzir energia sem emissão de gases com efeito de estufa seria uma mais-valia para o planeta e já há quem tenha desenvolvido uma tecnologia capaz de o fazer.

Adélio Mendes é investigador do Laboratório de Engenharia de Processos, Ambiente, Biotecnologia e Energia da Faculdade de Energia da Universidade do Porto (FEUP) e lidera uma equipa de investigação que tem desenvolvido uma tecnologia capaz de produzir energia sem emissão de gases com efeito de estufa.

O investigador explicou que tudo começa com a Decomposição do Metano, ou Pirólise do Metano, um processo que está a ser redescoberto e que diz respeito à transformação do metano em carvão e hidrogénio. Essa transformação imita o processo natural de há milhões de anos quando a natureza transformou o carvão e fez libertar hidrogénio.

Adélio Mendes | Investigador

Agir por um planeta mais saudável

Adélio Mendes é investigador do Laboratório de Engenharia de Processos, Ambiente, Biotecnologia e Energia da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto (FEUP). Licenciado e Doutorado em Engenharia Química também pela FEUP, Adélio Mendes trocou rapidamente as brincadeiras com legos por um aeromodelo com motor elétrico.
Foi aos 12 anos que o gostou pela Química começou a surgir, tendo produzido hidrogénio e oxigénio para fazer combustão num reator aberto. O resultado pode não ter sido o melhor, mas esse foi o primeiro contacto com hidrogénio: um dos elementos presentes num dos seus principais projetos sobre a Decomposição do Metano sem produzir CO2, transformando-se em carvão e hidrogénio.
Com um vasto currículo nas mais diferentes áreas da Química, são várias as suas patentes. A tecnologia da Decomposição de Metano está atualmente ao abrigo do programa Horizonte 2020, da União Europeia.

O que está em causa para as próximas gerações

Retirar o CO2 da atmosfera de forma sustentável

O metano pode ter origem no biogás e no gás natural e isso é uma mais-valia, uma vez que permite aos investigadores usarem todas as infraestruturas que têm disponíveis a seu favor para, a partir do metano, produzir hidrogénio. Esse hidrogénio, por sua vez, vai ser usado para produzir calor e eletricidade, tudo sem emissões de CO2.

Esta tecnologia vai permitir que as empresas de distribuição de gás natural transformem o metano em hidrogénio, que, por sua vez, se transforma em combustível, tudo, é claro, sem emissões de CO2.

“Temos de retirar o CO2 da atmosfera e temos de o fazer de forma sustentável. As soluções têm de ser verdes, baratas e fáceis. É aí que devemos fazer a diferença”

Para Adélio Mendes, as soluções têm de ser verdes, baratas e fáceis, salientando a importância dos investigadores e dos engenheiros para fazer a diferença. Esta tecnologia vai permitir que seja produzida energia com base no gás natural, mas sem emissões de CO2, fazendo com que exista mais tempo para desenvolver outras tecnologias importantes para o planeta que utilizam apenas fontes renováveis de energia.

Conheça os impulsionadores da mudança

O nosso mundo está repleto de desafios, mas nenhum tão importante como a construção de um mundo melhor. Fique a conhecer os projetos projetos que estão a alterar o paradigma da sustentabilidade, e as pessoas que desbravam os novos caminhos do futuro.