A tecnologia e os oceanos de mãos dadas pelo futuro dos ecossistemas marinhos

preservação dos oceanos e de todos os ecossistemas marinhos já vem de há muito tempo atrás. Ainda assim, é um tema cada vez mais atual e que mais forças tem reunido para que o futuro seja o mais azul possível.

O Instituto Hidrográfico tem sido imprescindível na construção deste caminho. Desde a sua formação, em 1960, que o grande objetivo é o de assegurar atividades que se relacionem com as ciências e técnicas do mar, contribuindo não só para o desenvolvimento do país, como para a defesa dos ambientes marinhos. Quem nos contou um pouco mais da história e missão deste instituto foi João Vitorino, oceanógrafo responsável pelos estudos na área do Canhão Submarino da Nazaré.

De acordo com o oceanógrafo, o Instituto Hidrográfico tem sido pioneiro na monitorização dos oceanos. Aqui, a geografia, a química, a cartografia e a oceanografia juntam esforços para a resolução de problemas. Um elemento fundamental para que a monitorização seja bem-sucedida são as boias multiparamétricas do Instituto, capazes de monitorar os oceanos com um detalhe sem precedentes. Estas boias, equipadas com sensores, permitem a caracterização de parâmetros como a agitação marítima, a temperatura superficial da água e, ainda – graças a um sistema de GPS – a localização geográfica.

O Instituto Hidrográfico tem sido pioneiro na monitorização dos oceanos. Aqui, a geografia, a química, a cartografia e a oceanografia juntam esforços para a resolução de problemas.

No fundo, para se conhecer o relevo do fundo marinho é necessário observar, medir, mas também perceber outro tipo de características como é o caso das variações do nível do mar. O conhecimento adquirido é aplicado em projetos comerciais, científicos e de preservação ambiental. Quando se fala em alterações climáticas, por exemplo, o histórico das observações do instituto vai permitir que se faça um comparação entre a evolução prevista e a evolução que se observa nos dias de hoje.

João Vitorino | Oceanógrafo no Instituto Hidrográfico

Conhecer as ondas gigantes,perceber o oceano

Merecedor de um Diploma de Estudos Avançados em Oceanografia pela Université de Bretagne Ocidental, é responsável pelos estudos na área do Canhão Submarino da Nazaré, conhecido pelas famosas ondas gigantes. João tornou-se especialista nesta área e, para o oceanógrafo, a Nazaré “funcionou para o instituto como uma área importante para avançar para novas tecnologias de observação. O canhão põe à disposição um espaço onde de muito perto convivem um ambiente costeiro, quase litoral, e um ambiente profundo”.

O valor da sustentabilidade

O poder da rentabilização

A par da monitorização está a rentabilização dos oceanos. Para João Vitorino, esta prática pode ser a chave para a proteção dos mesmos, desde que feita com uma base científica. Ao construir um conhecimento sólido sobre os processos e as características do meio marinho vai ser possível não só preservá-lo, como ajudá-lo a recuperar do impacto que algumas ações de exploração possam ter provocado.

Conheça os impulsionadores da mudança

O nosso mundo está repleto de desafios, mas nenhum tão importante como a construção de um mundo melhor. Fique a conhecer os projetos projetos que estão a alterar o paradigma da sustentabilidade, e as pessoas que desbravam os novos caminhos do futuro.